Metodologia Educativa

Metodologia Educativa

 

Somos uma instituição de caráter educativo, baseada nos princípios da escola não formal. Acreditamos que, no sonho de uma pedagogia mais completa e que valorize o ser humano como um todo deva haver a horizontalidade entre o educador e o educando. Sendo assim, buscamos em nossas atividades e discussões manter sempre um ambiente descontraído, onde cada indivíduo tenha a oportunidade de compartilhar suas experiências e enriquecer o diálogo com perspectivas próprias, adquiridas por meio da análise da informação, permeada por sua bagagem moral, que difere logicamente entre cada indivíduo, assim apenas, é possível aprender de maneira concreta, mútua e diversificada.

Além disso, trabalhamos com base na teoria das inteligências múltiplas, descrita primeiramente por Howard Gardner, em 1986, na qual diversas habilidades intrínsecas do indivíduo (naturalística, linguística, musical, lógica, intrapessoal, interpessoal, cinestésica/corporal, visuo-espacial e existencial) podem ser valorizadas e desenvolvidas com o estímulo preciso e no momento adequado e sua progressão, posteriormente, avaliada por meio de feedbacks, uma prática também comum dentre as atividades de nosso movimento, tomando as devidas precauções para evitar comparações indevidas entre indivíduos naturalmente distintos ou entre esses e os padrões estabelecidos pelo braço exato da ciência psíquica. Esse conceito tornou-se mais elaborado e humanizado do que a modalidade bruta de medição do conhecimento e capacidade cognitiva por meio da simplória realização de ações mentais a fim de gravar dados desconexos em nossos registros neurais, de forma que tenhamos uma boa classificação dentro de um sistema, a princípio bem projetado, porém falho em sua aplicação, de avaliação, como hoje nos é imposto.

Nossos principais momentos ativos de educação são os as atividades aos sábados e as machanot, nas quais tratamos de temas diversos, de acordo com as necessidades do grupo, diagnosticadas pela moatzá. A variedade de assuntos e de metodologias é também uma constante preocupação dos nossos educadores, dessa forma, cada personagem pode entender e aproximar-se do conteúdo de sua forma natural, acreditando que a surpresa e a novidade, além da vontade propriamente dita são fatores extremamente diferenciais para a boa consolidação de um conceito, ou seja, a iniciativa educacional não encontra seu maior aproveitamento, caso haja repulsa do educando em qualquer intensidade, por isso, a ideia do aprendizado mediado pelos jogos e atividades têm gerado resultados muito benéficos àqueles que passam pelo movimento.

Buscamos o aprendizado individualizado, mas acreditamos principalmente no crescimento grupal, no qual se aprende a lidar com as diferenças e críticas de maneira racional e cooperativa. O grupo é nossa principal ferramenta educativa, de ativismo e, principalmente de realização. O grupo é formado por divisões etárias, por considerarmos pertinentes também as verdades já descritas e constantemente observadas em nosso trabalho do desenvolvimento neuropsicossocial do humano e sabermos que essas questões influenciam por completo a eficácia do trabalho.

O trabalho realizado constantemente com os jovens do movimento, tem seu fim baseado nas teorias pedagógicas de Paulo Freire, pois ao exercer o papel de educadores perante nossos colegas, buscamos atingir o nível idealizado por esse pensador de transparência, clareza de conteúdo, imparcialidade de informação, intra e extracrítica, formando humanos conscientes de seus deveres e direitos perante a sociedade e livres para construir sua própria ideia do mundo e, portento, da própria educação.

Aceitamos também que o modelo apresentado é complementar na formação do indivíduo íntegro e não pode ser utilizado como maneira de subjulgar outras metodologias educativas, por isso, faz-se questão de reconhecer o valor da escola formal e informal. Sabemos que grande parte do currículo oculto transmitido por nosso movimento se dá por parte da imagem e das ações do madrich,por isso, criamos o conceito de Dugmá Ishit (exemplo pessoal), para que possamos explorar a educação não declarativa que é transmitida pela linguagem, pela movimentação, pelo olhar, pela aproximação, pelo tratamento, pela segurança e pelo carinho. O exemplo pessoal é o método eficaz de lembrar que levamos nossos próprios ensinamentos conosco e que, assim, o efeito de nossa educação tem o potencial para tornar-se cumulativo e de crescimento exponencial, evitando a propagação da síndrome do século XXI para o movimento: a hipocrisia.

Outro agente determinante para nossa metodologia educativa é o ativismo. Esse é tratado tanto como conteúdo quanto como meio de transmissão dele. É dogma dentro de nosso movimento que a finalidade de nossa educação é a formação de jovens ativos dentro de seus respectivos meios e, para isso, contamos com o poder transformador para conscientizá-los desse papel. O ativismo dentro do movimento se manifesta em todas as instâncias de nossa ideologia, desde o âmbito social até o judaico e nos utilizamos disso para ratificar o diferencial da pedagogia shômrica, que procura a abordagem integral dos problemas da sociedade, desde sua identificação até a sua solução e isso só se faz possível consolidar com um núcleo ativo.

 

Vaadat Chinuch – 2015

Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Youtube